MPT-RJ participa de debate durante a 3ª Semana Nacional de Aprendizagem

Evento "A cota de aprendizagem e os desafios enfrentados (Decreto nº 8.740/2016). As decisões do Judiciário Trabalhista e a atuação da fiscalização do trabalho", realizado na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT 1), encerrou semana dedicada ao tema da aprendizagem

O auditório do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-RJ) recebeu nesta quinta-feira (17/08) o evento de encerramento da 3ª Semana Nacional de Aprendizagem. O debate "A cota de aprendizagem e os desafios enfrentados (Decreto nº 8.740/2016). As decisões do Judiciário Trabalhista e a atuação da fiscalização do trabalho" contou com a participação de magistrados, procuradores e auditores-fiscais, advogados da União e servidores públicos ligados à Justiça do Trabalho.

Abertura do Debate durante a 3ª Semana Nacional de Aprendizagem
Abertura do Debate durante a 3ª Semana Nacional de Aprendizagem

Fruto de uma parceria que envolveu, além do TRT, o Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o evento consistiu em uma série de palestras e debates, e teve por objetivo a ampliação do conhecimento sobre os principais desafios para a efetiva aplicação das cotas de aprendizagem.

O evento foi aberto por uma mesa composta pelo Desembargador do Trabalho e Gestor Regional de 2º grau do Programa Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, José Luís Campos Xavier; pelo Procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ), Fabio Goulart Villela e pela Chefe de Fiscalização do Trabalho do Ministério do Trabalho no Rio de Janeiro, Fabiana Gondo.

Procurador-chefe do MPT-RJ Fabio Goulart Villela (esquerda)
Procurador-chefe do MPT-RJ Fabio Goulart Villela (esquerda)

”Na verdade, não se trata apenas da implementação de cotas de aprendizagem. Ao buscarmos a efetividade dessa norma, estamos verdadeiramente buscando a inclusão social dos jovens. Não é somente ele que ganha, a partir da oportunidade de aprender um ofício, mas sim a sociedade como um todo”, fez questão de esclarecer o procurador-chefe na ocasião de abertura do evento.

A procuradora do MPT-RJ e representante regional da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), Dulce Martini Torzecki, participou da mesa "Base de cálculo da cota de aprendizes. As ações e os julgados da 1ª Região"​. Em sua oportunidade, ela falou sobre a experiência que tem na atuação junto às empresas, destacando que “os empregadores que têm a consciência dos benefícios da aprendizagem passam a entender de forma diferente o programa, não vendo como uma mera exigência legal, mas sim como uma aposta no seu futuro empregado, entendendo que o adolescente será um empregado qualificado”.

Procuradora do MPT-RJ e Coordenadora regional da Coordinfância, Dulce Martini Torzecki
Procuradora do MPT-RJ e Coordenadora regional da Coordinfância, Dulce Martini Torzecki

A procuradora falou ainda sobre a contribuição do aprendizado na recuperação de jovens que estão cumprindo medidas socioeducativas, como os que ela tem visto no Departamento Geral de Ações Socioeducativas, o Degase: “No contrato de aprendizagem o aspecto educativo prevalece sobre o aspecto produtivo. E para nós, que acompanhamos os cursos no Degase, está muito claro quanto a aprendizagem mexeu com a vida deles no aspecto da educação, como já provocou nesses jovens uma sensação de inclusão e de serem reconhecidos na sociedade. A vida deles passa a ser outra”.

Nesse sentido, os jovens Jean Dias e Lucas Barbosa de Souza deram seus depoimentos sobre o papel da aprendizagem em suas vidas. Os dois rapazes são moradores de comunidades violentas da cidade e atualmente são aprendizes, participando, também, de cursos complementares pelo Instituto Arcádia. Jean começou destacando que “o programa de aprendizagem é importante pois salva vidas e devolve a dignidade”, explicando que já conseguiu dois empregos e um curso de teatro.

Jean Dias, jovem aprendiz
Jean Dias, jovem aprendiz

“Todo mundo deveria ter essa chance porque, assim como eu soube aproveitar, outras pessoas vão saber também”, concluiu o jovem.
Lucas, de 19 anos, morador da comunidade Baixa do Sapateiro no complexo da Maré, falou sobre a mudança na autoestima proporcionada pela vivência do aprendizado: “Quando eu entrei no curso eu já sabia que era capaz, mas com o tempo, com os professores e os colegas de turma pude ver que sou mais capaz ainda. Eles me deram força e me regeneraram”.

O pai de Lucas, o senhor Luís de Souza concedeu um depoimento emocionado sobre a importância da oportunidade para jovens de comunidades carentes, destacando os desafios que tanto ele quanto seu filho tiveram de enfrentar devido às condições socioeconômicas aos quais estão submetidos: “Eu tenho 58 anos e tenho a impressão de que esse projeto já tinha de ter começado antes, e que nossos governantes nunca deixassem ele acabar, porque hoje o nosso país seria visto com outros olhos. Eu, como pai, sei a importância da oportunidade que esses cursos dão. Tira a criança do tráfico, da rua e ensina eles a ser gente, e é disso que nós precisamos”.

Senho Luís e seu filho Lucas
Senho Luís e seu filho Lucas

Também estiveram presentes pelo MPT-RJ, as procuradoras integrantes da Coordinfância Maria Vitória Sussekind Rocha e Danielle Cramer, além  dos procuradores João Carlos Teixeira, Marcio Octavio Vianna Marques e Renato Silva Baptista.

Programa Jovem Aprendiz

O programa Jovem Aprendiz é uma iniciativa que tem por objetivo a qualificação de mão de obra e a inserção de jovens no mercado de trabalho. Qualquer pessoa com idade entre 14 e 24 anos, que esteja estudando no ensino fundamental ou médio, ou que já o tenha concluído, pode fazer parte do programa, que é regido pela própria CLT e, portanto, tem garantido direitos trabalhistas. O projeto alia teoria e prática na capacitação de jovens em carreiras específicas.

Empresas de diversas áreas e com mais de sete funcionários são obrigadas a ter em seus quadros jovens aprendizes. Para participarem do projeto, é necessário que as empregadoras façam um convênio com as entidades de formação, sendo elas do Sistema S (SENAC, SENAI e SENAT) ou sem fins lucrativos (ESFL). A alíquota determinada por lei é de no mínimo 5% e de no máximo 15% de aprendizes nas empresas. Essa cota é calculada sobre o número de funções que demandam formação profissional, segundo definição da Classificação Brasileira de Ocupações do Ministério do Trabalho.

 

Veja mais fotos no perfil oficial do MPT no Flickr.

 

Assessoria de Comunicação • Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ)

(21) 3212-2121 • (21) 9 9423-7936
prt01.ascom@mpt.mp.br
prt1.mpt.mp.br | Twitter: @MPTRJOficial | Facebook: MPTRJ.Oficial

Imprimir