• denuncias
  • peticionamento
  • mediacao
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario

    • Pesquisa CNMP
    • MPT cadastra entidades para destinação de recursos
    • banner mudanca sede
    • MPT-RJ divulga resultado final do 1º Processo Seletivo de Estágio de 2019
    • Audiência pública “Responsabilidade das empresas de comunicação pela segurança e integridade física dos profissionais que exercem atividade de cobertura externa de eventos”
    • Conheça a campanha "Criança não deve trabalhar, infância é para sonhar”
    • MPT-RJ seleciona entidades para celebrar convênio de coleta seletiva
    • Edital convoca empregados e ex-empregados do Jornal do Brasil
    • Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aplica pesquisa para ouvir a sociedade sobre temas prioritários na atuação do Ministério Público
    • Documentário expõe alto índice de mortes no trabalho. Clique para assistir.
    • MPT cadastra entidades para destinação de recursos
    • Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região inicia mudança para nova sede.

    Justiça do Trabalho concede liminar impedindo empresa de usar Câmara de Arbitragem para homologação de rescisões

    Decisão foi tomada a partir de uma Ação Civil Pública ajuizada pelo MPT em Volta Redonda

    A 1ª Vara do Trabalho de Volta Redonda deferiu, liminarmente, o pedido de antecipação dos efeitos da tutela em face da GP Guarda Patrimonial de São Paulo. A empresa deverá se abster de utilizar Câmara de Arbitragem como forma de homologação das rescisões de seus empregados e de realizar o parcelamento das verbas rescisórias.

    A decisão foi tomada a partir de uma Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em Volta Redonda. O Inquérito Civil constatou a demissão de cerca de 600 empregados, com pactuação de acordos perante Câmara de Arbitragem. Segundo a empresa o procedimento seria chancelado pela Lei 13.467/17 (Reforma Trabalhista) que introduziu o artigo 507-A à CLT.

    O artigo em questão admite a arbitragem somente para os trabalhadores cuja remuneração seja duas vezes superior ao limite máximo estabelecido para os benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e desde que haja cláusula compromissória de arbitragem nos contratos de trabalho. A empresa não observou o limite de remuneração exigido e firmou o compromisso arbitral no curso do aviso prévio trabalhado, o que é indicativo de fraude.

    De acordo com o MPT em Volta Redonda ficou evidenciada a utilização de arbitragem sem atendimento dos requisitos legais e a utilização de norma flagrantemente inconstitucional. Além de quadro claro de coação ou, ao menos, de indução dos trabalhadores ao erro, que acabaram por aceitar os termos dos acordos, temerosos com o desemprego e o fim de seus rendimentos.

    A decisão, deferida pelo juiz Thiago Rabelo da Costa, estabeleceu multa no valor de R$5 mil por trabalhador prejudicado e item descumprido.

    Assessoria de Comunicação • Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ)
    (21) 3212-2121 • (21) 9 9423-7936
    prt01.ascom@mpt.mp.br
    prt1.mpt.mp.br | Twitter: @MPTRJOficial | Facebook: MPTRJ.Oficial

     

    Imprimir

    • banner pcdlegal
    • banner abnt
    • banner corrupcao
    • banner mptambiental
    • AUDIN
    • banner transparencia
    • banner radio
    • banner trabalholegal
    • Portal de Direitos Coletivos